Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Cute Panda Life

Be simple. Be original. Be yourself.

My Cute Panda Life

#1 Peripécias da Bella: Eu desisto!

Resolvi seguir a sugestão da Simple Girl e fazer esta rubrica em que eu conto aquelas confusões em que eu já me meti, e que hoje sinceramente só me dão vontade de partir a rir!

"Eu desisto!", foi o que eu disse quando desisti do volley, aliás, contei isso neste post. No entanto, a história do volley não parou por aqui. Na altura em que eu desisti, os meus pais estavam a tratar da minha entrada para o melhor clube da cidade, eu ia competir a nível nacional, ia fazer os exames e tudo, estava mesmo para ir.

Eu tinha sido expulsa desistido do volley na escola, mas isso não equivalia a que eu não fosse para o clube. Bem, eu depois de muita insistência e conversas intermináveis que acabavam sempre em discussões, convenci os meus pais a deixarem-me desistir de tudo.

Bem, eu ia ser federada, isso era ótimo e eu perdi essa oportunidade porque não queria ir bater bolas todos os dias para um ginásio até às 8 da noite, era chegar a casa, comer e ir dormir e eu tinha outros planos, como sair com as minhas amigas, como falar com elas, como ver televisão, ser uma adolescente normal.

E com isto fiz porcaria, discuti com os meus pais, poderia ter ficado de castigo, traí algumas expetativas que eles tinham quanto a mim. Eu era mimada por todos, tinha tudo, era capitã de equipa, árbitra principal, braço-direito da treinadora...

Este foi um erro que cometi, não me arrependo, eu estava cansada e manter-me obrigada tinha sido pior ainda, provavelmente continuaria igual, só de pensar que nas férias tinha que passar os dias a treinar, dá-me naúseas!

As crianças crescem cada vez mais rápido

Sou adolescente, é verdade, no entanto, eu tenho olhos na cara e gosto de observar o mundo à minha volta. Cresci a ouvir miúdas de 16 anos dizerem-me que nós cresciamos muito depressa, demasiado depressa, aliás. Nunca consegui compreender o que se queria dizer, porque é que raio eu cresci demasiado depressa?

Finalmente, depois de uns anos (quatro anos), eu consigo compreender o que elas me queriam dizer. Eu não tenho 16 anos, tenho 14, mas a realidade é que tudo o que eu achei que fosse demais não é.

Eu sou adolescente, tenho as hormonas aos saltos e a ferver (como todas as adolescentes, ou quase todas), sou rebelde, quero fazer tudo o que me apetece sem ligar minimamente ao que os outros pensam, não confundam rebeldia com delinquência, porque não é. Eu sou educada com as pessoas, a menos que elas não o sejam comigo, aí esqueçam.

No entanto, eu olho para amigas minhas mais novas e elas falam de coisas que eu falo agora, não falo de miúdas com 13 anos, mas de idades abaixo dos 13. Eu na altura sabia que existiam, mas não falava. 

Basta olhar para dentro de casa, a minha irmã. Ela tem 8 anos (quer dizer, é o último dia dela com 8, por isso vamos considerar que tem 9), veste roupas que eu própria não visto, quer usar roupa como eu uso, quer-se maquilhar, quer fazer tudo o que eu faço. Ela não quer que mandem nela, ela é a única que sabe, e eu ponho-me a pensar que agora as crianças crescem demasiado rápido.

Com 8 anos eu andava a dançar e a saltar à corda, fazia castelos de areia, usava franjinha e fazia totós e trancinhas, hoje (é como quem diz), eu vou buscá-la à escola e vejo miúdas da idade dela e mais novas a usarem tops, andarem com o cabelo todo liso, umas unhas enormes e todas arranjadas, uns microcalções, que são tão curtos que até eu tenho cuecas que tapam mais que aquilo, vejo miúdas assim.

Eu pergunto-me como é que é possível as coisas estarem assim, miúdas mais novas que eu a andarem a comer rapazes mais velhos, a esfregarem-se neles, é tudo uma corrida para ver quem perde a virgindade primeiro. Isto não faz sentido nenhum!

Eu sou contra tabús, sou contra tudo o que tentam tapar com paninhos quentes para ficar tudo cor-de-rosa, sou contra e ponto. Mas eu penso que isto é demais, há idade para tudo, e não faz sentido uma criança andar assim.

Este mundo está cada vez pior...

 

Vibe de verão

Eu não sei se sou a única, mas eu tenho algumas músicas que me fazem entrar na vibe de verão, algumas das que estão fazem-me entrar naquela vibe de verão excelente.

 Eu sei, eu sei que é muito antiga, mas fazer o quê? Eu simplesmente adorei a música quando saiu, lembro-me da minha família me dizer que esta era uma música de drogados, mas eu sempre a associei ao verão, é quando eu realmente a ouço, acho que é quando faz sentido ouvir.

 

 Esta música retrata muito a minha mentalidade imatura, eu adoro esta música. Esta música lembra-me aquelas saídas noturnas em que eu me passo, na baixa, belas festas...

 

 Ainda é preciso dizer alguma coisa? A batida é completamente "praieira" (piada de gente federada em volleyball, ou melhor, de treinadoras que treinam equipas federadas).

 

 Eu não podia deixar a minha música da rebeldia de lado, não é? Esta música lembra-me o verão por uma razão desconhecida (NOS Alive, na altura Optimus Alive 2012, ou pela novela). 

 

 Lembra-me aquelas noites quentes, aqueles noites em que de 23ºC parece que de repente a temperatura sobe tão drásticamente e ficam uns 40ºC...

 

 Talvez pelo Euro, não sei, mas esta música dá-me um verão na pele... (obrigada Sofia, foi graças a ti que a conheci).

 

 Ponto para o David e para a Sia!

 

 Sabes Nicky? Finalmente a tua pornografia que nem foi muito acentuada neste videoclip conquistou-me!

 

 Ai Enrique, tu sabes que eu até te tolero e até gosto de algumas músicas tuas, na verdade o teu ritmo espanhol, o teu charme espanhol são bastante atratativos...

Por enquanto são estas, eu vou atualizando, ao longo deste verão ainda me vão aturar muito com playlists de verão!

Eu quero ver o filme!

Como já não deve ser novidade, o nome filme de animação da Disney Pixar chegou às salas de cinema portuguesas. E de que filme falo? "Finding Dory", uma sequela do sucesso das bilheteiras "Finding Nemo" (2003).

Eu mal posso esperar por ver o filme, eu vi o Nemo tantas vezes e sempre gostei tanto da Dory (eu também não sou muito boa em lembrar-me de coisas), mal posso esperar para ver a Dory. Com isto só tenho uma coisa a perguntar: É demasiado tarde para encontrar a Dory?

 Quem está ansioso como eu? Vão ver o filme?

A música da minha vida

Eu sou aquela pessoa que escolhe músicas para tudo e mais alguma coisa, eu já tinha uma pequena ideia da música da minha vida, mas agora tenho a certeza absoluta de qual é.

A Sia não me tem desiludido nem um pouco, eu identifiquei-me em especial com esta música, é a música da minha vida no geral.

Esta música tem uma força, dá-me força para continuar! Identifico-me com a letra toda, do início ao fim.

Mais alguém sente o mesmo?

 

Eu não consigo acreditar que isto aconteceu!

Hoje resolvi ir às estatísticas (coisa que eu já não faço há algum tempo, não me cativa muito, eu sou uma das pessoas que escreve pelo puro prazer de escrever, não por visualizações e/ou comentários), vocês não imaginam a minha cara quando vi o que se passou ontem, e da mesma forma,o que se passou segunda-feira.

Segunda-feira tive 438 visualizações, é imenso! Ontem baixei drásticamente e tive 174 visualizações, mas ainda assim, é um número bastante grande em comparação às que eu costumo ter.

Obrigada a todos os que visitaram e comentaram o blog, sem vocês isto não era possível. Aproveito também para agradecer a todas as pessoas que me subscrevem, nos últimos dias o número de subscritores aumentou imenso e eu estou muito grata a todos os que me subscrevem e acompanham desde o início, mas também desde agora.

Espero que eu nunca vos desiluda com os meus posts, ausências ou atitudes, eu não faço por mal, eu tento fazer o máximo que consigo, no entanto, nem sempre é impossível.

Obrigada à comunidade toda, fico muito feliz por estar "a morar" num bairro com uma vizinhança tão simpática e acessível, honestamente, não me consigo imaginar noutra comunidade, foi a melhor escolha que fiz.

Obrigada a todos!

Para comprovar que tudo o que disse é verdade, deixo aqui a captura de ecrã:

capture-20160629-110455.png

 

 

Ao frio da insónia... só que não!

Hi guys! Hoje tive uma noite bem agitada, juro que tentei, mas se dormi 4 horas foi muito. Custei imenso a adormecer, estava um calor que não se aguentava...

Fiquei até às 05:30 da manhã acordada, foi um martírio, acho que transpirei tanto que de certeza que todos os liquídos que ingeri foram libertados em forma de suor, devo ter transpirado uns 5 litros (ok, ok, provavelmente devo estar a exagerar, mas mesmo assim...)!

Eu virava-me para um lado, virava-me para o outro, de barriga para baixo, de barriga para cima, de cabeça para baixo, de nada serviu! Às 05:00 desisti de lutar e de tentar adormecer, fui para a sala, tinha pegado no computador para vir fazer um post deste género e a minha avó chegou à sala, fomos para as traseiras apanhar ar fresco, ela deixou a porta aberta e a rede fechada, assim sempre corria ar fresco para o quarto.

Lá adormeci às 05:30 (mais coisa, menos coisa), acordei algumas vezes, de hora em hora, finalmente levantei-me às 10:00, era uma luta que não ia vencer, o João Pestana hoje não quis colaborar comigo! 

Não imaginam a quantidade de vezes que eu fui à casa de banho molhar o corpo para ver se me refrescava e se adormecia por fim, NADA!

Mais alguém esteve com uma insónia esta noite? Ou todos dormiram maravilhosamente bem por esses lados?

 

Ir à praia com amigos

Eu nunca fui, os meus pais não me deixam porque eu nado própriamente bem (eu safo-me, mas só dá mesmo para desenrascar). Quem me ouve até parece que eu estou interessada em ir, sim pessoal, eu devo ser uma das únicas pessoas que não está interessada em ir à praia com os amigos.

Eu penso que para ir à praia com os nossos amigos devemos estar confortáveis com isso, eu não estou. O fato de banho faz-me muito gorda, o biquíni faz-me ficar envergonhada porque a barriga torna-me muito insegura, sinto-me embaraçada por ser diferente. Ir de triquíni não é muito conveniente porque também me fica mal devido à barriga.

Além do mais, eu gosto de ir à praia e não me sentir mal, poder tirar o soutien do biquíni e fazer topless para não ficar muito branca em certas zonas (existe praia de nudismo na minha área, mas eu isso nunca fiz, talvez um dia).

Eu sei que é estúpido, mas com os meus amigos eu fico com vergonha, sei lá...

Vocês são como eu ou até vão e gostam de ir à praia com os vossos amigos?

 

Obrigada ao Sapo!

Hi guys! Estive a pensar e penso que devo um agradecimento à Equipa do Sapo, visto que ontem, estive nos destaques com o post "Não acredito que virei uma destas miúdas".

Nunca penseo que este fosse um post a ser destacado, sempre o achei muito fraquinho, e depois passaram uns dias desde que o fiz, não imaginava que isto ia acontecer,

Quero agradecer então ao Sapo, a esta tão maravilhosa Equipa que neste momento me tem destacado imenso, obrigada por tudo. Obrigada também aos maravilhosos leitores (vocês) que acompanham e têm paciência para me aturar e ler as bacuradas que por aqui escrevo.

Obrigada a todos pelo apoio que me têm demonstrado e obrigada também à maravilhosa Comunidade existente neste nosso "bairro", para onde cada vez mais pessoas vêm morar, daqui a bocado penso que se morassemos todos num distrito não ia chegar (exagero meu ou não).

O meu problema com a comida

Hoje trago aqui um dos posts, que pela certa, vai ser um dos que tem mais significado e vão ser mais importantes para mim.

Eu tenho um grave problema com a comida. Quando eu era pequena comia tudo e mais alguma coisa, nunca parava, até que cheguei à pré-adolescência. O meu apetite diminuiu radicalmente, no entanto, os meus pais obrigavam-me a comer tudo e mais alguma coisa.

Com o tempo, os números na balança iam aumentando, e as minhas inseguranças só pioraram quando fui para o volleyball. Quando comecei a praticar as minhas ancas alargaram drásticamente, o que me deixou triste.

O certo é que foi aí que o meu maior problema começou, deixei de comer, recusava-me a comer. Eu perdi muito peso nessa altura, até que um dia eu quase desmaiei, foi horrível.

Foi então que surgiu algo ainda mais grave, a bulimia, que mais tarde passou a anórexia, o meu problema com a a comida refletiu-se então nos meus dentes, no meu cabelo, na minha pele e em todo o corpo.

Hoje, estou a conseguir ultrapassar estes distúrbios, porém ainda me vejo muito gorda, quando me dizem que é da minha cabeça e que eu não sou tão gorda assim, eu fico a pensar que estou numa situação um pouco triste.

O que me entristece um pouco é o facto de eu comprar roupa e ela ficar-me muito larga de repente, sem mais nem menos. Estou neste momento a vestir uns calções que comprei há poquíssimo tempo e eles já me ficam larguíssimos, a t-shirt que visto também é outra que tal, sinto-me mal por isso.

As minhas unhas caem-me devido à falta nutrientes que provocou uma anemia (que estou a tentar combater neste momento), é triste quando certas coisas nos acontecem.

Neste momento já não têm aquela coisa de me obrigar a comer, sabem que eu não quero mesmo e que é melhor ninguém me obrigar.

Alguém mais aqui tem esses problemas e quer partilhar?

Pág. 1/6

Quem está deste lado?

Uma adolescente com os seus consistentes 15 anos que sobrevive às adversidades do dia a dia, acompanhada do seu blog, onde conta as suas peripécias e aventuras.

Estudante de secundário durante o dia, blogger durante a noite. Uma apaixonada pela escrita de todo o tamanho. Pensadora nata. Eterna sonhadora.

Para muitos um livro aberto, para outros um mistério por resolver.

Intrigado? Fica por estes lados e talvez desvendes o mistério.

Apresentação Visual

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D