Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lost in a Cloud

Be simple. Be original. Be yourself.

Lost in a Cloud

Be simple. Be original. Be yourself.

Quero tirar notas de topo. Desde quando é que isso é ser doente?

Hi everybody! Hoje e nos últimos dias toda a gente me diz que estou stressada em tirar boas ntoas e que isso me deixa doente! Mas desde quando é que querer tirar boas notas é ser doente?

Tenho os quatros na pauta com a maioria absoluta e não gosto disso, quero subir, muitas vezes não consigo e há notas que pus em cheque.

As pessoas não compreendem que apesar de eu ainda não ter chegado à parte da escola que realmente importa, eu não posso não ter boas notas agora, se tiver más classificações agora, que é relativamente fácil, como vai ser no secundário?

Além do mais não compreendem que para mim é mesmo essencial ter boas notas, notas de topo. Eu quero seguir Medicina, são vidas a salvar! A média aqui no Porto este ano foi 18.5, eu tenho de entrar no Porto, se não bem posso esquecer a Faculdade!

Eu não exijo demasiado de mim, eu estableço apenas metas e objetivos de um plano que tem de ser cumprido, por um bom futuro.

 

Sometimes I think how it would be if I have a blog in English

É, de vez em quando sinto que podia ser melhor e ter um inglês bem melhor se eu tivesse um blog em que escrevesse em inglês. Se calhar isto é um esclarecimento para vocês, leitores que repararam que tenho um nome de conta e de blog em inglês, uma descrição em inglês, que no perfil público e no blog tenho a apresentação em inglês e, que ultimamente, o blog tem maioritariamente títulos e começos de posts em inglês.

Desde que comecei a fazer isto (e a falar com amigas em inglês) que a minha pronuncia melhorou (os meus colegas dizem que pareço britânica, mas eu discordo, só se fosse uma britânica com muita falta de vocabulário e com uma pronuncia terrível, ainda que eles a elogiem) e o meu vocabulário também melhorou imenso.

Pensei imensas vezes nesta possibilidade, afinal eu não fui inglesa durante muito tempo por casualidade, por alguma razão escolhi este idioma (é mais universal e quase toda a gente hoje em dia sabe e aprende inglês). Na altura pensei ser espanhola, mas era óbvio porque como ex- membro do grupo das v-lovers (do qual saí há já bastante tempo e não me arrependo nada porque detesto a série e acho que essa fase da minha vida foi extremamente excessiva), era de conhecimento geral que tinha um muito bom espanhol (aprendido desde que tenho 3 anos), por isso seria logo descoberta.

Entretanto eu pensei em ser italiana, mas desisti por falta de nomes e por falta de aprendizagem suficiente da língua. Quando desisti dessa ideia fui francesa, mas pensei em desistir porque, apesar de ter um bom francês e um bom vocabulário, não era suficiente e não me daria uma história credível e completamente diferente da minha, porque também era de conhecimento geral que tenho parentes que só falam francês, demoraria mais tempo a ser descoberta, mas ia dar ao mesmo.

Por fim pensei em ser inglesa e não vi qualquer fator que me impedisse e incapacitasse de tal coisa, se bem que pensei que me iam descobrir rápido, mas a probabilidade descia porque eu quase nunca falava em inglês. E durou imenso tempo, provavelmente continuaria se não tivesse dito nada, não sei.

Depois deste testamento enorme que já toda a gente deve estar farta de ler eu vou chegar a uma conclusão e fazer uma pergunta.

A conclusão é que com estes 6 meses de experiência eu aprendi imenso sobre e da Riley, das origens e da língua dela, ou seja, para mim o inglês acabou por ser a minha completa segunda língua.

A pergunta é: Será que devia criar um blog onde escrevesse em inglês?

 

A minha carreira promissora

Segundo o meu stor de História eu vou ter uma brilhante carreira no meu futuro, como política. Eu sei, se eu for para a política vou estar lixada porque vou ser motivo de conversa e não é da boa.

Tudo isto começou quando eu disse toda revolucionária que os homens e as mulheres eram iguais, e que apesar de acreditar que um dia a mulher vai acabar por ser tratada de forma igual na sociedade, não espero estar cá para ver isso (infelizmente).

Ora, estão a ver quem está ao lado da Catarina Martins nas campanhas, bom foi da direção de turma do meu stor e quando se falou da Grécia, ele teve a mesma entrada que eu.

Hoje foi teste, e até eu me meti com o professor (o que costuma ser ao contrário) e disse-lhe que tinha dado uma resposta toda política, daquelas que só eu sei dar. O stor riu, eu ri, toda a turma riu e maior parte acredita mesmo que eu vá ser uma política má-sucedida e que vou perder sempre as eleições, eu não me importo nada com isso!

E qual é o vosso futuro?

O futuro no ponto de vista de uma adolescente de 13 anos

Muitas vezes dou por mim a pensar nisto, nesta coisa do futuro. Muitas vezes gostava de saber como estarei daqui a um ano, daqui a 10, não sei.

Provavelmente vou ter o cabelo comprido, castanho-chocolate porque os meus pais não me deixaram pintar o cabelo. Provavelmente não vou ter mais borbulhas na cara (não que tenha muitas, mas de vez em quando aparecem), vou estar mais magras, vou poder vestir-me como me apetece, mas não é isso que quero saber ao certo, quer dizer, é claro que me interessa saber isso, mas não é o mais importante, pelo menos para mim!

Muita gente que está a ler isto deve estar a pensar que sou maluca em não me interessar imenso por essas coisas, mas eu quero saber outras coisas, não estas!

Quero saber se me vou continuar a dar com os meus amigos, se vou continuar a escrever aqui, se isto me vai continuar a fazer feliz, se vou estar aqui.

Quem não quer saber este tipo de coisas? Eu acho que toda a gente quer saber o que o futuro lhe reserva, toda a gente sem exceção, bem lá no fundo querem. Eu estou ansiosa por saber quando vou poder sair sem ser às escondidas dos meus pais, querer ir saír à noite e ir a uma festa sem ter de me preocupar que tenho de estar em casa às 22:30.

Qual é a miúda da minha idade que não o quer, qual é a miúda que quer poder ter amigos rapazes sem o pai a intrometer-se, a rapariga que quer andar abraçada com quem lhe apetece sem terem os pais a vigiar. Eu não sei se estas coisas vão acontecer todas no próximo ano, mas espero que sim (apesar de profundamente eu duvidar imenso que isso aconteça).

Por outro lado eu não quero que aconteçam outras coisas como perder a minha essência, perder pessoas importantes, meter-me em problemas com consequências demasiado graves, perder o controlo, e acima de tudo, perder-me a mim mesma.

Eu já decidi e quero, sinto-me preparada, para crescer. Não quero ser mais a menina, quero ser uma adolescente e quero que os meus pais me parem de proteger sempre, porque não vão conseguir.

Não quero que me venham com essa conversa das desilusões e dos espinhos que vou encontrar pelo caminho do crescimento, eu não me importo!

Eu não me importo de sofrer, não me importo de me desiludir, de cair porque sei que não vou estar sozinha, sei que vou ter os meus amigos ao meu lado, a crescer comigo. Mesmo que esteja sozinha, e me desiluda com as pessoas, com as situações e que sofra por causa disso, não me vou importar porque isso é crescer, tenho de me desembaraçar sozinha, ultrapassar e aprender alguma coisa com isso.

Agora eu pergunto-me como é que faço isso se estiverem sempre a proteger-me, têm de me deixar ir e deixar que me encontre, têm de me deixar ser feliz, ser livre e ter 13 anos!

Bem, este é um futuro no ponto de vista de uma adolescente de 13 anos, desta adolescente de 13 anos.

 

#30 British Girl in School: Íamos para onde? Para a night!

Estava agora a rever mentalmente o meu dia e apesar de poder contar qualquer outra coisa lembrei-me de contar o episódio abaixo porque hoje a conversa com a Vanessa inspirou-me a contar isto.

come back.jpg

 Então estávamos hoje na aula de desporto e enquanto dávamos duas voltas do percurso do corta-mato (que vai ser amanhã), eu comentei que achava que a idade que mais ia gostar de ter eram 16 anos, se bem que os 18 também iam ser espetaculares e vinhamos a comentar os nossos planos para essas idades, ir para a disco, ficar de ressaca (se bem que muitos de nós, incluindo eu já sentimos as típicas dores de cabeça que a ressaca provoca, sim eu admito que já estive de ressaca, mas eu bebi relativamente pouco, por isso técnicamente não devo ter estado com as piores, já senti dores piores que aquelas), sair às escondidas, ter a carta, conduzir fora dos limites de velocidade...

Quando acabámos, a Miss Silva teve de sair um bocadinho para ir buscar não me lembro o quê porque o certo foi que ela foi mas voltou de mãos a abanar, mas antes de ir disse-nos para não sairmos dali, e a Joana perguntou logo "Para onde é que nós íamos?" e eu respondi logo "Então pegávamos nas coisas, arranjávamo-nos e íamos para a night!", obviamente toda a gente curtiu da ideia, também não era para menos, se nos derem festa, a gente alinha!

Mas não é por estatem desse lado do ecrã que não podem vir, quem alinhava? Eu acho que entre uma aula de desporto e uma ressaca a escolha é óbvia, mil vezes a ressaca, é menos chata e foi causada pela adrenalina de beber às escondidas dos pais, logo faz todo o sentido a escolha!

Acabou-se tudo!

Bem, eu avisei que ia ser um post triste, e acreditem, não esotu a brincar!

O meu sonho acabou, eu tinha tudo, era capitã, jogava, arbitrava, fazia de tudo! Ontem tudo mudou, foi um manchete, uma simples batida que acabou com tudo. Fui parar ao hospital e foi lá que recebi a notícia, provavelmente este foi o fim, não há mais continuação, não há mais jogos, nada!

Eu lesionei-me de vez, o pulso dobrou-se, estalou e provavelmente rompi algum ligamento, e se estiver certa... se estiver certa inclui uma cirurgia, que pode ter as suas consequências e aí nunca mais posso jogar na vida. De um momento para o outro acabou-se tudo, o meu sonho esfumou-se e eu nem sequer o vivi bem, não fui a jogos, pouco treinei e pouca coisa fiz.

Como me sinto? Não me sinto, perdi tudo, inclusive a minha vida. Antes eu vivia para aquilo, eu treinava para aquilo, eu transpirava aquilo e agora eu perco aquilo! Neste momento estou triste, e sabem qual a parte que mais custa? Custa-me imenso ver os meus amigos jogar e saber que não vou poder fazer aquilo nunca mais (provavelmente).

Hoje eles estavam a jogar quando cheguei, a bola veio alta e eu ia rematar, mas depois lembrei-me que não podia, e nesse momento senti-me pior que nunca. Já me arrependi de ter querido ir ao médico, só me trouxe sofrimento!

 

#26 British Girl in School: OMG! Look at him!

Hi everybody! Entre hoje e ontem muita coisa aconteceu, mas eu vou contar tudo no próximo post, previno desde já dizendo que o próximo post vai ser triste, mas vamos lá à parte animada!

come back.jpg

 

 Hoje estávamos em desporto na acrobática e chegou a vez do grupo das minhas amigas e do Felipe e eles fizeram o esquema ao som da canção "Sorry" do Justin Bieber. A certa altura a Bárbara e a Catarina ficaram de base e a Joana e a Sara subiram para cima delas, nesse momento o Felipe faz o pino e a Joana e a Sara seguraram-lhes as pernas e nesse momento todas as raparigas da sala ficaram . Porquê? Porque no momento em que o Felipe fez o pino a camisola dele baixou e nós vimos que afinal, ele não é tão horrível como sempre foi pintado, ele tem uns abdominais...

Para verem todas as raparigas comentaram umas com as outras, eu e o Joel estávamos a dançar e eu deixei o Joel a dançar sozinho por causa disso! No balneário e à saída só se falava disso, provavelmente vai ser o assunto durante imenso tempo. Os rapazes estão roidinhos de inveja porque agora todas as raparigas cobiçam o Felipe e deixaram de lhes ligar.

Até já me disseram que eu tenho imensa sorte porque de todas as raparigas eu sou a que ando mais com o Felipe e ele anda quase sempre com o braço em cima do meu ombro, ou com o ombro à minha volta. Para verem eu até o abracei esta semana, mas tipo foi por nervos porque havia questão aula surpresa e ele safou-me ao explicar-me uma coisa e eu abracei-o tipo por instinto! Mas bem vaos lá ver agora como é que a minha turma vai ficar, porque acreditem ou não, isto vai mudar imensa coisa!

O quê?!

Notícia chocante alerta! Alerta notícia chocante! Hoje os meus pais deram-me uma notícia e tudo começou com aquele "Precisamos de ter uma conversa, senta-te", ao príncipio eu pensava que eles me iam dar outro daqueles sermões intermináveis que me andam sempre a dar, depois percei que não, que era mais sério e achei que eles me iam dizer que iam ter outro filho (se tivessem ficava pior que estragada, ia detestar a ideia). Quando eles me disseram o que era eu confirmei que não era anda do que eu pensei, mesmo nada estava relacionado!

Bem, vou-vos matar a curiosidade, o que se passa é que eu vou viver com os meus pais, e não, não vou voltar para Londres, eles é que vêm para cá morar! Agora é que vai ser darem-me na cabeça, mas também já estou mais que habituada, é o normal, darem-me notícias inesperadas do dia para a noite!

 

Não faço, não vou, não quero! A vida é minha!

Olhem que agora estou com uma raiva... eu nem me aguento! Para verem começam a querer que eu me vá embora e eu não estou com ideias de o fazer nem nada que se pareça. Eu não quero, não faz sentido e eu não quero.

E ainda por cima perguntam-me porque é que eu não quero voltar, eu não quero porque não me apetece e quero cá ficar! Eles devem achar que eu sou um fantoche nas mãos deles, primeiro trazem-me como se fosse bagagem e agora lembraram-se e querem que eu volte, não quero, não sou bagagem. A minha irmã apoia, quer dizer agora e de repente lembram-se e eu tenho de voltar para apoiar a família neste momento.

Eu quero que eles se lixem, é essa a verdade, quero que se lixem juntamente com as ideias deles, a vida é minha e ninguém pode decidir por mim! Que lhes salte a tampa que a mim não me importa minimamente, foram eles que quiseram decidir a minha vida e agora querem voltar a tomar esta decisão! Eles podem até tentar obrigar-me e forçar-me, mas eu não vou fazer nada do que eles querem!

 

 

E quando tudo parece bem, rapidamente se esfuma

Devem estar a perguntar-se o porquê de um título tão negativo, e bem acreditem que eu também detesto, mas aposto que mais que vocês.

Eu estava a ter tudo, o volleyball estava a correr-me bem, agora também ia e vou tirar um curso de árbitra, tudo estava perfeito na minha vida. Mas ontem esfumou-se tudo, acabou!

Estou lesionada, outra vez. Lesionei-me esta semana e tenho andado com as minhas proteções de pulso e com gelo, passei a semana a pô-lo. Continuei a treinar ainda assim, mas ontem foi a gota de água, e apesar de eu ter feito de conta que estava tudo bem e que já passava, eu duvido muito que desta vez eu consiga aguentar as dores que sinto. Desta vez é diferente, são pontadas, dores quase insuportáveis e que me deixam sem conseguir escrever até!

Eu ontem nem treinei, doeu-me tanto o pulso, a minha mão, os tendões, tudo! Além disso apercebi-me que a Bárbara não é minha amiga, ontem ela demonstrou-mo, além de que ela duvida das minhas capacidades. Estou mesmo desanimada e acabada, parece que de repente tudo caiu sem eu me dar conta, percebem?

 

Quem está deste lado?

Uma adolescente com os seus consistentes 15 anos que sobrevive às adversidades do dia a dia, acompanhada do seu blog, onde conta as suas peripécias e aventuras.

Estudante de secundário durante o dia, blogger durante a noite. Uma apaixonada pela escrita de todo o tamanho. Pensadora nata. Eterna sonhadora.

Para muitos um livro aberto, para outros um mistério por resolver.

Intrigado? Fica por estes lados e talvez desvendes o mistério.

Apresentação Visual

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D