Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lost in a Cloud

Be simple. Be original. Be yourself.

Lost in a Cloud

Be simple. Be original. Be yourself.

Sometimes I think how it would be if I have a blog in English

É, de vez em quando sinto que podia ser melhor e ter um inglês bem melhor se eu tivesse um blog em que escrevesse em inglês. Se calhar isto é um esclarecimento para vocês, leitores que repararam que tenho um nome de conta e de blog em inglês, uma descrição em inglês, que no perfil público e no blog tenho a apresentação em inglês e, que ultimamente, o blog tem maioritariamente títulos e começos de posts em inglês.

Desde que comecei a fazer isto (e a falar com amigas em inglês) que a minha pronuncia melhorou (os meus colegas dizem que pareço britânica, mas eu discordo, só se fosse uma britânica com muita falta de vocabulário e com uma pronuncia terrível, ainda que eles a elogiem) e o meu vocabulário também melhorou imenso.

Pensei imensas vezes nesta possibilidade, afinal eu não fui inglesa durante muito tempo por casualidade, por alguma razão escolhi este idioma (é mais universal e quase toda a gente hoje em dia sabe e aprende inglês). Na altura pensei ser espanhola, mas era óbvio porque como ex- membro do grupo das v-lovers (do qual saí há já bastante tempo e não me arrependo nada porque detesto a série e acho que essa fase da minha vida foi extremamente excessiva), era de conhecimento geral que tinha um muito bom espanhol (aprendido desde que tenho 3 anos), por isso seria logo descoberta.

Entretanto eu pensei em ser italiana, mas desisti por falta de nomes e por falta de aprendizagem suficiente da língua. Quando desisti dessa ideia fui francesa, mas pensei em desistir porque, apesar de ter um bom francês e um bom vocabulário, não era suficiente e não me daria uma história credível e completamente diferente da minha, porque também era de conhecimento geral que tenho parentes que só falam francês, demoraria mais tempo a ser descoberta, mas ia dar ao mesmo.

Por fim pensei em ser inglesa e não vi qualquer fator que me impedisse e incapacitasse de tal coisa, se bem que pensei que me iam descobrir rápido, mas a probabilidade descia porque eu quase nunca falava em inglês. E durou imenso tempo, provavelmente continuaria se não tivesse dito nada, não sei.

Depois deste testamento enorme que já toda a gente deve estar farta de ler eu vou chegar a uma conclusão e fazer uma pergunta.

A conclusão é que com estes 6 meses de experiência eu aprendi imenso sobre e da Riley, das origens e da língua dela, ou seja, para mim o inglês acabou por ser a minha completa segunda língua.

A pergunta é: Será que devia criar um blog onde escrevesse em inglês?

 

6 comentários

Comentar post

Quem está deste lado?

Uma adolescente com os seus consistentes 15 anos que sobrevive às adversidades do dia a dia, acompanhada do seu blog, onde conta as suas peripécias e aventuras.

Estudante de secundário durante o dia, blogger durante a noite. Uma apaixonada pela escrita de todo o tamanho. Pensadora nata. Eterna sonhadora.

Para muitos um livro aberto, para outros um mistério por resolver.

Intrigado? Fica por estes lados e talvez desvendes o mistério.

Apresentação Visual

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D