Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lost in a Cloud

Be simple. Be original. Be yourself.

Lost in a Cloud

Be simple. Be original. Be yourself.

#2 Situações: Não como mais nada naquela casa!

Vou àquelas festas sem civilização existente, onde tudo é em francês, entro lá contrariada, saio de lá com uma espécie de intoxicação alimentar. Não que a comida não seja boa, é só que eu saio sempre de lá enjoada nos últimos tempos!

Como pouco, mas saio sempre de lá enjoada. Basta um bocadinho de nada de arroz, de batatas fritas (que não são fritas, nem assadas, nem cozidas, visto que vão ao forno), uma febra, cinco cerejas e uma bolachinha, estou enjoadíssima.

Mas como quase tudo tem um lado positivo, posso ir embora mais cedo para casa.

O meu problema com a comida

Hoje trago aqui um dos posts, que pela certa, vai ser um dos que tem mais significado e vão ser mais importantes para mim.

Eu tenho um grave problema com a comida. Quando eu era pequena comia tudo e mais alguma coisa, nunca parava, até que cheguei à pré-adolescência. O meu apetite diminuiu radicalmente, no entanto, os meus pais obrigavam-me a comer tudo e mais alguma coisa.

Com o tempo, os números na balança iam aumentando, e as minhas inseguranças só pioraram quando fui para o volleyball. Quando comecei a praticar as minhas ancas alargaram drásticamente, o que me deixou triste.

O certo é que foi aí que o meu maior problema começou, deixei de comer, recusava-me a comer. Eu perdi muito peso nessa altura, até que um dia eu quase desmaiei, foi horrível.

Foi então que surgiu algo ainda mais grave, a bulimia, que mais tarde passou a anórexia, o meu problema com a a comida refletiu-se então nos meus dentes, no meu cabelo, na minha pele e em todo o corpo.

Hoje, estou a conseguir ultrapassar estes distúrbios, porém ainda me vejo muito gorda, quando me dizem que é da minha cabeça e que eu não sou tão gorda assim, eu fico a pensar que estou numa situação um pouco triste.

O que me entristece um pouco é o facto de eu comprar roupa e ela ficar-me muito larga de repente, sem mais nem menos. Estou neste momento a vestir uns calções que comprei há poquíssimo tempo e eles já me ficam larguíssimos, a t-shirt que visto também é outra que tal, sinto-me mal por isso.

As minhas unhas caem-me devido à falta nutrientes que provocou uma anemia (que estou a tentar combater neste momento), é triste quando certas coisas nos acontecem.

Neste momento já não têm aquela coisa de me obrigar a comer, sabem que eu não quero mesmo e que é melhor ninguém me obrigar.

Alguém mais aqui tem esses problemas e quer partilhar?

Uma alternativa para quem não gosta de comer

Acho que todos nós temos aqueles momentos em que não nos apetece comer, mas há bastante gente que lhe custa comer, no entanto precisa de fazê-lo (eu, por exemplo), o que é que o meu pai me ensinou.

Basicamente, muitas vezes eu nem meio pão tenho vontade ou sequer consigo comer, por isso os meus pais obrigam-me a comer bolachas (especialmente quando tenho crises).

Mesmo assim, comer as bolachas dá imenso trabalho, e por isso quando me dá dessas coisas e tenho esses dias em que não quero comer nada porque não tenho fome, basicamente eu pego em leite, deito bolachas para lá para dentro e faço tipo um batido. E agora eu vou explicar-vos como fazer o tal batido!

 

Ingredientes:

  • 3 bolachas
  • leite

 

Preparação:

 

Colocamos a quantidade de leite que nos apetecer dentro de um recipiente (o litro serve perfeitamente), partimos as três bolachas e metemos lá para dentro. Depois das bolachas metidas lá dentro pegamos na varinha mágica e passamos as bolachas, depois de já não haver mais bolacha para passar, colocamos num copo e bebemos.

 

Agora vêm algumas perguntas do tipo "E o que se come juntamente com isso?", e a minha respostá é que não se come mais nada. Porque no fundo temos ali tudo o que precisamos, leite e bolachas, a diferença é que está tudo líquido!

Bem, espero ter ajudado alguém que sofre do mesmo problema em comer que eu, e que sofra de crises como as minhas.

 

Quem está deste lado?

Uma adolescente com os seus consistentes 15 anos que sobrevive às adversidades do dia a dia, acompanhada do seu blog, onde conta as suas peripécias e aventuras.

Estudante de secundário durante o dia, blogger durante a noite. Uma apaixonada pela escrita de todo o tamanho. Pensadora nata. Eterna sonhadora.

Para muitos um livro aberto, para outros um mistério por resolver.

Intrigado? Fica por estes lados e talvez desvendes o mistério.

Apresentação Visual

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D